Nossa Campanha continua , contamos com sua ajuda.

Para assinar, clique AQUI!

domingo, 16 de setembro de 2012

MM SINTOMAS E DIAGNÓSTICO


MIELOMA MULTIPLO


Sintomas

Numa fase precoce, a doença não causa sintomas na maior parte dos doentes. À medida que a doença vai progredindo, ocorrem sintomas indefinidos, tal como diminuição da capacidade física, abatimento, fadiga, fraqueza e, mais raramente, falta de apetite, náuseas, vómitos ou perda de peso. Quanto aos seguintes sintomas, descritos segundo os sistemas de órgãos, tratam-se de complicações que surgem num estádio avançado da doença. Para uma melhor compreensão, queira ler a página "O que é o mieloma múltiplo?"


1.   As dores ósseas começam muitas vezes de uma forma insidiosa, aumentando ao longo do tempo. Uma dor intensa e repentina é sinal típico de fracturas de corpos vertebrais, de costelas ou de ossos tubulares compridos.

2.   As dores concentram-se frequentemente na região da coluna vertebral torácica ou lombar.

3.   Muitas vezes verifica-se uma perda de altura corporal de vários centímetros. Isto deve-se a uma compressão das vértebras.

4.   A concentração elevada de cálcio no sangue, causada pela destruição dos ossos, provoca uma eliminação acrescida de cálcio na urina; o volume de urina aumenta, e o corpo fica sujeito a uma desidratação. A elevada taxa de cálcio também provoca náuseas e vómitos, o que faz com que o doente perca mais líquido.

5.   Em cerca de 20 % de todos os doentes, a precipitação do cálcio leva a uma piora da função renal devido à lesão dos tubos.

6.   A extensão das queixas resultantes de uma alteração do perfil sanguíneo depende do volume de plasmócitos degenerados. O primeiro que se altera é a maturação dos glóbulos vermelhos. Os sintomas da anemia são palidez, fraqueza, fadiga, dores de cabeça e dificuldade de respiração, especialmente sob esforço físico.

7.   À medida que a doença evolui, pode ocorrer uma diminuição dos leucócitos (glóbulos brancos) e trombócitos (plaquetas). Uma taxa baixa de leucócitos é responsável por uma pré-disposição acrescida às infecções.

8.   Cerca de 20 a 25 % dos doentes sofrem de infecções repetidas, principalmente de origem bacteriana. Numa fase precoce, predominam as infecções das vias respiratórias. Uma complicação típica da doença avançada são as infecções das vias urinários.

9.   A falta de trombócitos traduz-se numa tendência acrescida para hemorragias. O sangramento nasal e a perda abundante de sangue menstrual nas mulheres são sintomas típicos.

10. As alterações patológicas do sistema nervoso surgem num número muito reduzido de doentes. Quando os nervos dos braços e pernas estão afectados, podem ocorrer dores ardentes e distúrbios da sensibilidade dos membros. Mais raramente, e apenas ao fim de uma longa evolução da doença, podem ocorrer um síndroma de paraplegia com paralisias, distúrbios da sensação e incontinência.
Ao perceber os sintomas listados, procure um especialiasta-Oncologista, ou seu Médico Particular, solicite que seja feita uma investigação[diagnóstico] ampla e completa.

Diagnóstico


O diagnóstico serve para confirmar ou infirmar a suspeita de uma doença cancerosa e, no caso de confirmação, para se obter mais informações sobre o tumor. Só é possível iniciar um tratamento adequado depois de se ter efectuado um diagnóstico exaustivo.

A doença pode ser diagnosticada de várias maneiras. Um primeiro diagnóstico faz-se através de indicadores gerais, tal como uma alteração dos valores do sangue e da urina, bem como dores ósseas e fracturas. Estes levam o médico a fazer exames mais exactos acerca da presença de um mieloma múltiplo. Para um diagnóstico positivo, devem estar cumpridos, pelo menos, dois dos seguintes critérios:

           I.        A percentagem de plasmócitos na biopsia da medula óssea é superior a dez por cento.

         II.        Lesões ósseas específicas do mieloma (buracos que parecem ter sido recortados do sistema esquelético) ou diminuição da densidade óssea (osteoporose) e fracturas. No entanto, nenhuma destas lesões é absolutamente específica para o mieloma múltiplo.

       III.        A taxa de paraproteínas comprovada no sangue é superior a 3 gramas por 100 ml e/ou foram detectadas paraproteínas na urina e/ou comprovou-se uma diminuição da densidade óssea.

O objectivo dos exames é obter-se tão cedo quanto possível, ou seja, antes da aparição de complicações, um diagnóstico seguro e avaliar o carácter benigno ou maligno do tumor. A natureza do tumor será um critério importante para a decisão sobre qual tratamento lhe será proposto.

Descreva ao seu médico as queixas e doenças prévias. Qualquer detalhe, tão insignificante que se achar, pode ser uma informação importante para o médico. A este respeito, leia também a página "Doentes informados".

A par da análise do sangue e da urina, o emprego de radiografias ou tomografias por ressonância magnética e os TACs são meios auxiliares de diagnóstico para a detecção de osteólises (degradação óssea). A biopsia da medula óssea, ou seja, a retirada de uma amostra de tecido da medula óssea, constitui um método rigoroso de diagnóstico do mieloma múltiplo. Os seus sintomas, os resultados das análises de sangue e urina, os exames radiológicos, bem como a avaliação da biopsia da medula óssea ajudam depois a confirmar o diagnóstico.


Um comentário:

  1. Meu pai teve diagnóstico de mieloma múltiplo, após simples cálculo renal. Faleceu em 15 dias após diagnóstico, devido complicações renais e por último embolia pulmonar. Não teve tempo de iniciar tratamento, talvez devido ao despreparo médico e/ou diversidade de sintomas que podem indicar essa doença.

    ResponderExcluir

Agradecemos sua presença e apoio.
direitodeviverpmm@gmail.com